sindefurnas@sindefurnas.org.br
(35) 3529-3100

Artigos

Parlamentares criticam privatização do setor elétrico em homenagem aos 46 anos da Eletronorte

SAIU NA IMPRENSA

 

Parlamentares criticam privatização do setor elétrico

em homenagem aos 46 anos da Eletronorte

Por  Roberta Quintino- 17/06/2019

 

Com a ampla participação de parlamentares, dirigentes sindicais e eletricitários, a sessão especial do Senado em homenagem aos 46 anos da Eletronorte foi palco de duras críticas a proposta de privatização das estatais do setor elétrico fomentada pelo governo Bolsonaro. A atividade foi requerida pelo senador Eduardo Braga (MDB/AM).

Na oportunidade, senadores e deputados destacaram ainda o papel estratégico da Eletronorte no desenvolvimento social e econômico na região amazônica. A estatal, com sede em Brasília, gera e fornece energia elétrica para os estados do Acre, Amapá,  Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

O Senador Weverton Rocha (PDT-MA) disse que o governo atua com uma “política desenfreada para entregar o nosso patrimônio”. Rocha ressaltou ainda que a iniciativa privada “preocupada em ter lucro” não pode comandar setores estratégicos como o elétrico.

Segundo o deputado capitão Alberto Neto (PRB-AM), a Eletronorte pública é responsável pelo progresso regional da Amazônia. Ele deu exemplos da atuação da estatal em municípios esquecidos pelo “mercado” e questionou a capacidade e interesse das empresas privadas em levar energia elétrica para regiões de difícil acesso e com escasso financeiro.

“Essa empresa é um patrimônio inestimável, constitui feitos e contribuições de enorme importância para todos os brasileiros. Nós, principalmente a população da Amazônia, nos orgulhamos do trabalho que vocês [eletricitários] têm desenvolvido em termos de geração de energia para o Brasil”, declarou o senador Chico Rodrigues (DEM-RR).

O deputado José Ricardo (PT-AM), representando a Frente Parlamentar em Defesa da Eletronorte, disse que a “ladainha da privatização” tem como objetivo sucatear “a estrutura pública para depois vender a preço muito abaixo à iniciativa privada”. O parlamentar lembrou que os governos anteriores realizaram investimentos bilionários no setor para viabilizar a universalização da energia elétrica e contestou ainda a venda da Eletrobras. “Por que privatizar uma empresa lucrativa?”.

Representando o Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE), Ikaro Chaves, frisou que a Eletronorte, diante de vários desafios, é o agente responsável pela integração energética nas principais cidades da Amazônia. “[A estatal] é uma empresa de excelência e qualidade e nosso atual desafio é manter a Eletronorte pública, pertencente a todos os brasileiros. O Brasil precisa da Eletronorte”, finalizou o dirigente.

A Eletronorte é uma subsidiária da Eletrobras, e está incluída no pacote de privatização do governo Bolsonaro. A venda da empresa vai comprometer o desenvolvimento social e econômico nas regiões onde atua. Hoje, a estatal fomenta e desenvolve ações com a população que promove a inserção social das comunidades amazônicas. Além de ser fonte inesgotável de conhecimentos sobre a floresta, os rios e os povos, trabalhando os estudos científicos, a educação e a cultura local em sintonia com as políticas públicas existentes.

 

Fonte: https://www.urbanitariosdf.org.br/?p=18683&fbclid=IwAR3UOtXVA7csZNTG-7ES9V57bIm63oVgWrF0anPFeF7hIaqav6uCwOXCw-8 – Acesso: 17/06/2019.

© 2014 SINDEFURNAS TODOS OS DIREITOS RESERVADOS By Mediaplus